sábado, 12 de abril de 2008

ACORDO SOBRE A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE PROFESSORES

O Ministério da Educação e os sindicatos de professores acordaram que este ano lectivo a avaliação de desempenho terá apenas em conta quatro parâmetros, aplicados de igual forma em todas as escolas.

De acordo com um documento distribuído no final de uma reunião de mais de sete horas, entre a equipa ministerial e a plataforma sindical, que terminou já na madrugada de sábado, 12 de Abril de 2008, a ficha de auto-avaliação, a assiduidade, o cumprimento do serviço distribuído e a participação em acções de formação contínua, quando obrigatória, serão os únicos critérios a ter em conta.

video

segunda-feira, 17 de março de 2008

SER ENGENHEIRO

video

Descrição Profissional de Engenheiro (Segundo o dossier IEFP)

Os Profissionais da Engenharia

Para o desempenho da sua actividade, o profissional de Engenharia necessita de uma sólida formação científica e técnica de base, multidisciplinar, que responda à grande diversidade de problemas que se lhe deparam, numa sociedade em constante mutação, onde a actualização permanente constitui uma necessidade.


Um profissional de Engenharia empenhado e actuante é, assim, o garante do processo técnico que a sociedade procura, assegurando a modernização do tecido industrial, a renovação dos produtos obsoletos, o abastecimento das populações, criando riqueza e postos de trabalho, progresso e bem-estar social.


O profissional de Engenharia estuda as leis da natureza, na perspectiva das suas aplicações e no sentido de permitir a concretização de realizações que melhorem o conforto e a qualidade de vida das populações, usando todos os meios naturais disponíveis, incluindo os vivos.


O exercício da actividade pressupõe que o profissional de Engenharia consiga os seus objectivos de uma forma económica e racionalizada, sem desperdícios, e tendo em vista a harmonia das condições ambientais, de forma a conseguir um desenvolvimento equilibrado, sem afectar o equilíbrio natural mais adequado para a sobrevivência e bem-estar da Humanidade.


Até à implementação do Processo de Bolonha, há dois tipos de formação para os profissionais de Engenharia : cursos longos, de cinco anos, para os licenciados, e cursos curtos, de três anos, para os bacharéis.


A Formação do Raciocínio

A formação do profissional de Engenharia envolve o estudo e a aplicação de Matemática aos modelos físicos, químicos e biológicos, adaptados às realidades do mundo que nos envolve.
Nem sempre todos os profissionais de Engenharia têm oportunidade de exercitar o seu raciocínio matemático, nem disponibilidade de se dedicarem ao desenvolvimento de técnicas próprias aplicáveis aos problemas do dia-a-dia. Porém, é essencial ao profissional de Engenharia , em qualquer período da sua actividade, manter o interesse pelo conhecimento dos modelos e técnicas que interpretam as leis naturais, ainda que criados e desenvolvidos por outros. Para além dos conhecimentos da Matemática e da Física é fundamental para o profissional de Engenharia assumir-se como tal, mantendo a capacidade de raciocinar de uma forma lógica e estruturada, definindo pressupostos, estabelecendo etapas, tirando conclusões numericamente fundamentadas, e avaliando criticamente os resultados obtidos.


O que é ser Engenheiro

As licenciaturas em Engenharia são cursos superiores de cinco anos, muitos deles ministrados em Universidades e constituem a formação obrigatória para os Engenheiros.
De acordo com os Estatutos da sua Ordem Profissional, o Engenheiro tem de ser titular de uma Licenciatura, ou equivalente legal, em curso de Engenharia, ocupando-se da aplicação das ciências e técnicas respeitantes aos diversos ramos de Engenharia (Agronómica, Ambiente, Civil, Electrotécnica, Geográfica, Informática, Mecânica, Metalúrgica e Materiais, Minas, Naval, Química e Silvícola).

O licenciado em Engenharia só é engenheiro depois de estar obrigatoriamente inscrito na Ordem dos Engenheiros, o que quer dizer que não bastam habilitações académicas para se ser titular da qualificação profissional de engenheiro.


Para se inscrever na Ordem dos Engenheiros, o licenciado em Engenharia terá de fazer exame de admissão, podendo ser dispensado, se for oriundo de um curso acreditado pela Ordem, após o que terá de realizar um estágio profissionalizante.
O Engenheiro tem um código ético e deontológico de actuação, isto é, tem de subordinar a sua actividade a um conjunto de preceitos definidos pela sua Ordem, onde estão registadas as normas de conduta; a desobediência a este código pode provocar a suspensão do exercício da actividade profissional, após a instauração de um processo disciplinar pela Ordem.
Este código destina-se a identificar os direitos e deveres do Engenheiro para com a sua Associação Profissional e, no exercício da actividade profissional, assegurar que o seu trabalho vise o bem da sociedade e que as relações entre profissionais se orientem na defesa, prestígio e unidade dos Engenheiros.



O que é ser Engenheiro Técnico

Ser Engenheiro Técnico é ser titular de um curso de ensino superior, com a duração de três anos, ao qual é atribuído a grau de bacharelato.
A actividade profissional dos Engenheiros Técnicos é regulamentada pela ANET (Associação Nacional dos Engenheiros Técnicos).


O que fazem

Os profissionais de Engenharia podem exercer actividades em gabinete (realizando estudos, cálculos e projectos), na fábrica ou oficina (gerindo e melhorando os métodos de fabrico), no laboratório (orientando o desenvolvimento de técnicas de análise), no campo (gerindo e melhorando a produção de animais ou plantas), variando o âmbito da sua actividade de acordo com as suas habilitações académicas, a sua capacidade pessoal, o tipo e a qualidade de formação que for recebendo ao longo da vida profissional.


O profissional de Engenharia necessita de ter uma grande preocupação de actualização profissional, dado que as ciências e as técnicas da Engenharia evoluem muito rapidamente ao longo dos tempos (em cerca de cem anos passou-se da máquina a vapor para a primeira viagem tripulada à Lua). Por outro lado, a sua condição de elemento responsável na estrutura das instituições exige-lhe características humanas e sensibilidade às questões sociais.


A profissão de “Engenharia” pode ser desenvolvida em diferentes actividades, nomeadamente, investigação, concepção, estudo, projecto, fabrico, construção, produção, fiscalização, controlo , incluindo a gestão dessas actividades e de outras com elas relacionadas.


A Engenharia é, também, uma forma de cultura, isto é, uma forma de pensamento extensível aos profissionais que a exercem e constitui uma herança científica e social da humanidade, que é transmitida aos novos membros desta comunidade profissional, assegurando a sua integração plena nas metodologias e técnicas da profissão.


Factores de Sucesso Profissional

A motivação de um profissional de Engenharia , isto é, o prazer que para ele representa o exercício da actividade, depende de factores intrínsecos à sua personalidade e está ligada à fixação de objectivos arrojados e à perseverança na ultrapassagem das barreiras que rodeiam esses mesmos objectivos, mobilizando o indivíduo na prossecução de tarefas complexas de uma forma persistente, por vezes com desinteresse pela satisfação de outras necessidades, normalmente as mais primárias.


A universalidade da linguagem científica permite assegurar, de uma forma inequívoca o diálogo e a comunicação entre todos os povos. Este facto é relevante por facilitar a transmissão do conhecimento do “saber como”, de geração em geração, nomeadamente aos mais novos, disponibilizando a sua utilização generalizada e assegurando a evolução técnica e científica, que só é conseguida a partir da consolidação dos conhecimentos adquiridos.


Isto pressupõe que um dos deveres de todo o profissional é a transmissão aos outros, de forma aberta, dos conhecimentos e experiência que possui. E isto deverá ser feito espontânea e naturalmente, numa permuta em que o prazer da comunicação deve dominar a relação dos intervenientes na sua troca de experiências, apresentadas de forma aberta e dialogante.


A identificação da vocação para a Engenharia está associada ao interesse, gosto e motivação para a matemática e a criação de modelos. O profissional de Engenharia terá, no entanto, de ser mais que um criador e modelos: tem de ser alguém com um espírito prático e com capacidade para interpretar e adaptar à realidade os modelos construídos.


Especialidades de engenharia (oe)

Mecânica

Abrange o projecto e a concepção de máquinas, equipamentos, instalações e sistemas mecânicos, quer se trate de bens de equipamento, quer se destinem ao sector metalúrgico e metalomecânico, quer ainda se destinem a outros sectores tais como os de geração de energia, sistemas de aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração; a sua fabricação, montagem, reparação, manutenção e inspecção; a gestão integrada da produção; a consultoria nas áreas atrás referidas; a investigação de base e aplicada.

Ambiente

Estuda os problemas ambientais, de forma integrada, nas suas dimensões ecológica, social, económica e tecnológica, com vista a promover o desenvolvimento sustentável.
A abordagem ambiental pode ser específica (controlo da poluição, da água, do sol e do ar), ou multidisciplinar (estudo do impacto ambiental, auditorias ambientais).
Os domínios de actividade integram diagnóstico e avaliação de impactos ambientais, auditorias, sistemas de gestão ambiental, ecodesign, conservação da natureza, controlo de qualidade ambiental, planeamento energético e energias renováveis, poluição, ruídos, sistemas de abastecimento de água e de drenagem e tratamento de águas residuais, gestão e tratamento de resíduos sólidos.

Electrotécnica

Lida com os conceitos, fenómenos, sistemas e produtos directa e indirectamente ligados ao electromagnetismo e, assim, ao aproveitamento dos campos eléctrico e magnético, consubstanciado em sistemas e produtos de valor reconhecido pela sociedade, nomeadamente em áreas de Telecomunicações, Electrónica, Energia, Controlo, Computadores e Informática.
Esta especialidade engloba o estudo e a investigação de sistemas e aparelhagem eléctrica e electrónica de energia, em especial de instalações de energia eléctrica, tais como: centrais eléctricas, redes de transporte e distribuição, sistemas de iluminação, tracção eléctrica, etc; os planos das instalações de automação, controlo e instrumentação; os planos das instalações e dos equipamentos de telecomunicações.

Informática

A Engenharia Informática constitui um dos ramos mais recentes da Engenharia e envolve os dois seguintes aspectos: concepção e exploração de equipamentos informáticos e concepção e exploração de sistemas informáticos.
O desenvolvimento de equipamentos informáticos é feito com base na electrónica digital, complementada com matérias sobre sistemas lógicos, arquitectura de computadores e controlo. O desenvolvimento de sistemas informáticos está voltado para as linguagens de programação e para sistemas de processamento de grande volume de dados.
Comparado o ramo de engenharia informática com o ramo de electrotecnia/electrónica pode referir-se que, relativamente a esta, aquela tem menor abrangência quanto aos fenómenos electromagnéticos, preocupando-se, fundamentalmente, com a interligação dos “chips” (ou dispositivos elementares transitorizados de funções pré-determinadas) cuja montagem permite construir a arquitectura interna de um computador; poder-se-á dizer que o engenheiro electrotécnico constrói os “chips” e o engenheiro informático concebe o modelo da sua montagem.
É ainda vocação específica do engenheiro informático conceber programas que, residentes em permanência na memória do computador, ou carregáveis quando tal seja necessário, podem tratar dados ou comandar instalações e sistemas industriais.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

DE PARIS A NANTES NO COMBÓIO MAIS VELOZ DO MUNDO - 574,8 km/h

Acabei de receber este filme por e-mail. Parem um bocadinho e imaginem um combóio destes a atravessar o nosso país. A que conclusão(ões) chegaram?

video

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

CASAMENTO DA ANDREA COM O JOÃO PEDRO

O primeiro dos meus quatro afilhados, a Andrea, decidiu "dar o nó" no passado sábado, 02 de Fevereiro.

Foi com muita alegria que participei na cerimónia que teve lugar na Igreja de Alvares, nossa terra natal, a mesma onde os meus pais se casaram a 26 de Janeiro de 1957.

A Andrea, que trabalha e reside na capital, achou por bem partilhar a sua felicidade, com muitos dos seus familiares e amigos, na terra onde cresceu.

Um lindo dia de sol entre dois dias de chuva, repleto de emoções, pelo simbolismo da cerimónia, pela beleza e felicidade dos noivos e pelo reencontro com familiares e amigos; um dia inesquecível com lugar cativo no meu coração.

Parabéns aos noivos pela linda festa quiseram e souberam organizar para presentear os seus convidados. Para eles dirijo os meus renovados votos das maiores felicidades.





sábado, 26 de janeiro de 2008

PORTUGUESES CONFIAM MAIS NOS PROFESSORES

O meu grande amigo e colega José Alberto Santos, pessoa atenta e bem informada, reparou que O JN digital publicou hoje a notícia que teve o cuidado de transcrever e me enviar por e-mail com a seguinte interrogação: será que isto é verdade???

Portugueses confiam mais nos professores

Políticos estão em último lugar das preferências A profissão de professor é aquela em que os portugueses mais confiam e também aquela a quem confiariam mais poder no país, segundo uma sondagem mundial efectuada pela Gallup para o Fórum Económico Mundial (WEF).

Os professores merecem a confiança de 42 por cento dos portugueses, muito acima dos 24 por cento que confiam nos líderes militares e da polícia, dos 20 por cento que dão a sua confiança aos jornalistas e dos 18 por cento que acreditam nos líderes religiosos. Os políticos são os que menos têm a confiança dos portugueses, com apenas sete por cento.

Os portugueses privilegiaram também os professores enquanto profissão a que dariam mais poder no país (32 por cento), seguindo-se os intelectuais (28 por cento) e os dirigentes militares e policiais (21 por cento), surgindo em último lugar, com seis por cento, as estrelas desportivas ou de cinema.

A confiança dos portugueses por profissões não se afasta dos resultados médios para a Europa Ocidental, onde 44 por cento dos inquiridos confiam nos professores, seguindo-se os líderes militares e policiais, com 26 por cento.

Os advogados, que em Portugal apenas têm a confiança de 14 por cento dos inquiridos, surgem em terceiro lugar na Europa Ocidental, com um quarto dos europeus a darem-lhes a sua confiança, seguindo-se os jornalistas, que são confiáveis para 20 por cento. Em ultimo lugar na confiança voltam a estar os políticos, com 10 por cento.

A nível mundial, os professores são igualmente os que merecem maior confiança, de 34 por cento dos inquiridos, seguindo-se os líderes religiosos (27 por cento) e os dirigentes militares e da polícia (18 por cento). Uma vez mais, os políticos surgem na cauda, com apenas oito por cento dos 61.600 inquiridos pela Gallup, em 60 países, a darem-lhes a sua confiança.”

GUIA DOS CURIOSOS - O LIVRO DAS PERGUNTAS E DAS RESPOSTAS

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

O QUE É QUE SE PODE FAZER PARA MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

  1. A sociedade confronta-se actualmente com uma revolução electrónica/digital, que dá ao cidadão a possibilidade de assumir novos desempenhos, de ser mais participativo, gestor, produtor e dinamizador de espaços de informação e de conhecimento. Estas alterações impõem novos desafios a todos os sectores da sociedade e em especial à Educação. Por outro lado a Educação não se limita à transferência de conhecimento do professor para o aluno, a escola não é o único lugar de aprendizagem, ou seja uma parte considerável de aprendizagens significativas ocorre fora dela, informalmente, a sociedade influencia fortemente os processos de desenvolvimento das crianças e jovens e a escola de hoje, por não ser suficiente para corresponder às solicitações actuais, deve ser reequacionada no âmbito da Sociedade de Informação e Comunicação. Muitas crianças de hoje, nascem e desenvolvem-se rodeadas de novas tecnologias e acedem com relativa facilidade a uma grande variedade de recursos tecnológicos que começam gradualmente a dominar. Mais tarde, a escola terá de ter um papel de promoção de saberes, orientações e competências-chave para que estas mesmas crianças e aquelas que não tiveram a mesma possibilidade de acessos aos referidos recursos tecnológicos (e que também ainda são muitas), se possam desenvolver normalmente no quadro social que as envolve. As TIC facultam a ligação e a dinâmica entre alunos, conteúdos e professores proporcionando experiências inovadoras e enriquecedoras e renovam os tradicionais papéis que têm vindo a ser assumidos por cada uma das três partes. Desta forma, torna-se necessário que todos os educadores e professores, desenvolvam durante a sua actividade profissional, competências para utilizar as tecnologias educativas como suporte à utilização das TIC no processo de ensino/aprendizagem e na partilha das suas experiências educativas.

  2. Não é difícil estar convicto de que a educação é a base da sociedade. É necessário boa educação para se atingir patamares sociais compatíveis com as exigências actuais, em termos intelectuais, morais, técnicos, científicos, produtivos e competitivos, capazes de proporcionar a todos e a cada um de nós os meios necessários para boa integração social e bem estar geral, reflectidos em contributo activo na construção da mesma sociedade e em qualidade de vida. São ainda muitas as limitações para que a educação se desenvolva de forma capaz. Enquanto problemas primários não forem resolvidos, não podemos ambicionar alterações significativas na matriz global da sociedade portuguesa e não é razoável falar de desenvolvimento e de criação de riqueza suficiente para que as pessoas possam usufruir de padrões de integração social e de níveis de qualidade de vida razoáveis. Refiro-me a problemas que deveriam começar a ser resolvidos em casa, da responsabilidade da família, dos pais, dos encarregados de educação dos jovens estudantes, consistindo no apoio sistemático à sua auto-estima. Ajudar o jovem a gostar de si próprio é meio caminho andado para a sua felicidade. No entanto este aspecto é bastante descuidado, ao ponto de uma parte considerável dos jovens não acreditarem nas suas capacidades, viverem centrados nas suas dificuldades e terem baixas expectativas, o que os leva a obter baixos resultados nas tarefas escolares. Muitos jovens estão expostos a ambientes socioeconómicos e sócioemocionais muito desfavoráveis. Não podem ter um percurso normal, estando portanto sujeitos a elevado risco de experimentar insucesso escolar por exemplo, os alunos que vivem em condições habitacionais degradadas e no seio de famílias completamente desestruturadas. Até que a sociedade evolua e as famílias sejam educadas por forma a serem capazes de assumir, com autonomia, as funções primárias de apoio aos seus jovens estudantes, há que tomar medidas enérgicas que tendam a alterar rapidamente esta situação. Que seja o Estado a tomar medidas nesta área, encontrando os parceiros adequados para realizar acções concertadas para formação contínua das famílias e para apoio dos jovens. Há até quem defenda a criação de cooperativas ou sociedades de jovens licenciados, habilitados para serem professores, que não conseguem colocações nas escolas, como forma de combater o insucesso escolar, mediante celebração de acordos com autarquias e escolas. Alguma coisa tem de ser feito! Há muitos diagnósticos, todos sabem que a Educação vai mal, mas as boas medidas escasseiam para alterar, com eficácia, o mau estado das coisas.

  3. Refiro-me também às escolas de todos os níveis de ensino, que têm de se reorganizar urgentemente para dar a cada aluno a possibilidade de desenvolver as suas áreas fortes, as áreas para as quais manifesta mais aptidões e nas quais se poderá sentir um cidadão mais válido e capaz, no sentido da sua realização pessoal e profissional. Para isto, as escolas têm de se apetrechar com recursos humanos e materiais, têm de estar na vanguarda, em contacto directo com o que de melhor se faz nos diversos sectores da sociedade civil, com enfoque especial nos meios de produção de bens e serviços e na utilização de tecnologias inovadoras, sejam tecnologias de informação e comunicação ou outras, e não na retaguarda, à espera de “migalhas” para funcionar.

  4. Por outro lado, só professores motivados, dignificados na sua profissão e competentes na sua acção, poderão ajudar a alterar a situação grave que se vive na Educação. É necessário que cada professor conheça bem os seus alunos e a si próprio. Precisa de estar consciente da dinâmica das relações interpessoais (aluno-aluno, aluno-professor, professor-aluno) e de estar atento à adequação das actividades que propõe, relativamente à diversidade dos alunos da turma e ao apetrechamento das salas com recursos materiais.

  5. Os novos desafios que a escola enfrenta não podem ser resolvidos pela exclusão dos sectores mais desfavorecidos da sociedade. É preciso procurar respostas que passam pela criação de melhores condições nas escolas, pela formação inicial e contínua dos professores, não uma formação qualquer para obter uns créditos para progressão na carreira, mas uma formação permanente, objectiva, direccionada para a acção pedagógica efectiva e para a inovação no ensino, por forma a que cada professor possa munir-se dos meios que possam proporcionar atmosferas positivas e ricas na sala de aula.

  6. É com esta dinâmica que se ultrapassam problemas e se impede que muitos outros surjam e se tenham de resolver. Dinâmicas positivas geram dinâmicas positivas capazes de resultados de crescimento exponencial. Há necessidade de “abanar” o sistema educativo português e partir para o futuro com confiança e determinação, fazendo uso das capacidades de todos os agentes envolvidos.

  7. Com a experiência colhida ano após ano, dia após dia, reforço a minha convicção de que a educação falha nos conteúdos técnico-científicos e que o insucesso escolar não se resolve só pelo aumento da qualidade da pedagogia, da forma de ensino. Poderá ser minorada, mas o problema não se reduz nessa dimensão e é necessário apostar essencialmente nos conteúdos científicos e facultar aos professores a possibilidade de realizar permanentemente investigação na área da física moderna e das novas tecnologias de informação e comunicação. Ao ensinar-se matérias mais actuais e avançadas, certamente haverá maior motivação dos alunos.

video

Novas Tecnologias na Educação - Reportagem SIC - Jornal da Noite de 20 de Janeiro 2008

domingo, 20 de janeiro de 2008

CIMEIRA IBÉRICA, MOSTEIRO DE TIBÃES E NANOTECNOLOGIA

O Mosteiro de Tibães, em Braga, recebeu em 18 de Janeiro de 2008, sexta-feira, a XXIII Cimeira Ibérica, durante a qual os primeiros-ministros de Portugal, José Sócrates, e de Espanha, José Luís Zapatero, reforçaram o actual bom momento das relações bilaterais.

Sócrates e Zapatero estiveram no local onde funcionou o parque de diversões Bracalândia, para proceder ao lançamento do futuro Laboratório Internacional Ibérico de Nanonatologia. Este laboratório, um projecto financiado pelos dois governos, que tem previsto um investimento anual de 30 milhões de euros, deverá ser inaugurado em 2009 e contará com cerca de 200 investigadores de Portugal e Espanha.

A nanotecnologia é uma nova técnica dedicada ao estudo e controlo das propriedades da matéria à escala nanométrica: um nanómetro (milionésima parte do milímetro) é o comprimento de uma pequena molécula. Trata-se de algo tão pequeno que uma estrutura nanodimensionada tem de ser ampliada mais de 10 milhões de vezes para ser apreciada em pormenor a olho nu. Dada a necessidade de partilhar conhecimentos acerca deste novo mundo, as fronteiras entre áreas tecnocientíficas estabelecidas tornam-se difusas, numa cooperação multidisciplinar entre a ciência de materiais, a mecânica, a electrónica, a informática, a biologia, a química e a física.

video

REESTRUTURAÇÃO DOS MERCADOS ELÉCTRICOS VERSUS PREÇO DA ENERGIA ELÉCTRICA

Não é hoje possível falar de mercados eléctricos sem abordar a problemática associada à reestruturação/privatização [1] do sector eléctrico, que preocupa de forma generalizada todos os países do mundo, embora se encontrem em fases diferentes de evolução e se debatam com problemas diversos e distintos, inerentes à especificidade de cada mercado e à complexidade das muitas variáveis e restrições em presença e estejam a analisar, discutir, conceber, implementar ou testar modelos que normalmente carecem de reajustes à medida que vão sendo explorados e conhecidos os resultados da sua aplicação prática.

Apontam-se como principais benefícios da reestruturação dos mercados da electricidade [2], aumentar a competitividade das empresas eléctricas e o número de agentes envolvidos no sector
eléctrico, reforçar a segurança do abastecimento, incentivar a eficiência energética e o aproveitamento dos recursos renováveis, estimular a inovação tecnológica e organizacional, desenvolver as competências e know-how, isto tudo na perspectiva de melhor satisfazer as necessidades do consumidor final [3] e de lhe facultar melhores preços para a electricidade que consomem, tentando, também desta forma, responder às necessidades da sociedade actual.

O Chile foi o país pioneiro na reestruturação de mercados eléctricos, tendo iniciado em 1982 a transformação do seu sector eléctrico. A partir desta altura vários outros países, espalhados pelos diversos continentes, reconheceram a necessidade de desenvolver procedimentos de enquadramento dos seus sectores eléctricos nas actuais exigências de mercado, sendo que a energia eléctrica tem vindo a assumir características de produto susceptível de ser comercializado entre diversos agentes, mediante procedimentos mais ou menos tradicionais, sempre com o intuito de satisfazer as necessidades do consumidor final, tanto em qualidade como
em preço.

Se fizermos uma rápida reflexão sobre o que desde então, decorrido quase um quarto de século, se tem passado no mercado eléctrico nacional podemos concluir que alguma coisa se tem feito, nomeadamente no que confere à qualidade do produto energia eléctrica. No entanto, muito pouco há a registar na perspectiva de facultar ao consumidor doméstico a possibilidade de escolher o preço e o fornecedor da energia eléctrica que consome. Onde está o aumento dos agentes envolvidos e o reforço da competitividade das empresas do sector eléctrico português?

Porque foi o Chile o país pioneiro das reestruturações dos mercados eléctricos, deixo aqui um trabalho de investigação sobre o mercado eléctrico da América Latina que poderá servir para o caro leitor tirar as suas ilações.

REFERÊNCIAS
[1] J. Tomé Saraiva, Reestruturação do Sector Eléctrico – Experiências e Desafios, 3º Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Electrotécnica, Ordem dos Engenheiros, Porto, Junho de 1997, pp. 245-247.

[2] José P. Sucena Paiva e José M. Ferreira de Jesus, Mercado Ibérico de Electricidade – Comentários ao Documento de Discussão CNE-ERSE de Dezembro 2001, Instituto Superior Técnico, Janeiro 2002, p. 1.

[3] Manuel A. Matos, J. Peças Lopes, J. Tomé Saraiva e Mª T. Ponce Leão, Mercado Ibérico de Electricidade – Comentários ao Documento de Discussão CNE-ERSE de Dezembro 2001, INESCPORTO e FEUP, Janeiro 2002, p. 8.

domingo, 6 de janeiro de 2008

HISTÓRIA DA REGISCONTA

Aquando da tomada de posse do último conselho de administração do grupo de empresas Regisconta, em 5 de Fevereiro de 1991, foi projectado um diaporama com a "História da Regisconta", que aqui publico, para que a possam relembrar ou dela tomar conhecimento.

video

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

AS TI NO 1º CICLO

Uma das actividades de que mais me entusiasmou, como professor, foi o projecto desenvolvido com alunos do 1º ciclo do Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Poiares no ano lectivo de 2004/2005 (oportunidade que se gerou na consequência de ter sido corrigido o erro da minha colocação, já referido em artigo anterior), baseado no desenho e animação de figuras em computador, começando pelo manuseamento das ferramentas de desenho, domínio do plano de trabalho, traçado, pintura e composição de figuras geométricas e desenho livre, passando, numa fase posterior, à animação de figuras desenhadas.

Esta actividade exigiu rigor e concentração dos participantes e foi desempenhada com motivação. As actividades revelaram-se aliciantes, à medida que se foram desenvolvendo, potenciaram a valorização geral dos alunos no domínio das Tecnologias de Informação e ajudaram a aprofundar noções e conceitos básicos das disciplinas do 1º ciclo do ensino básico.


Alguns trabalhos realizados pelos alunos

AVIÃO ANIMADO

AUTOR: Gonçalo Nuno Ferreira Guedes
3º Ano - Turma A
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES


AVIÃO ANIMADO

AUTOR: Liliana Almeida Carvalho
3º Ano - Turma a
ESCOLA DE SÃO MIGUEL DE POIARES


AVIÃO ANIMADO

AUTOR: Marcelo Carvalho Pereira
3º Ano - Turma A
ESCOLA DE SÃO MIGUEL DE POIARES


AVIÃO ANIMADO

AUTOR: Rita Sofia Amaro Ferreira
4º Ano - Turma C
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES

BOLAS DE SABÃO

AUTOR: Daniel Filipe Lima Neves
2º Ano - Turma B
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES


VITRAL


AUTOR: Jaime Antunes Soares
4º Ano - Turma C
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES


VITRAL

AUTOR: Suse Marina Reis Ferreira
3º Ano - Turma B
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES


TAPETE

AUTOR: Alexandre Manuel Cunha Oliveira
4º Ano - Turma B
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES


TAPETE
AUTOR: Ana Patrícia Simões
4º Ano - Turma C
ESCOLA DE VILA NOVA DE POIARES

sábado, 29 de dezembro de 2007

AS TIC NA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO 8º ANO - EB23 FREI CAETANO BRANDÃO

Os alunos utilizaram os PCs portáteis para jogar um jogo denominado “When Resistors Go Bad” que teve como finalidade desenvolver a coordenação motora, rapidez de raciocínio e consolidar a aprendizagem do código de cores que determina o valor das resistências de carvão utilizadas nos circuitos electrónicos.

Os alunos utilizaram também os PCs portáteis para desenhar circuitos eléctricos e electrónicos simples e simular as suas condições de funcionamento com o programa “Electronics WorkBench” (EWB). As facilidades deste programa de computador facultaram aos alunos a possibilidade de comprovar a Lei de Ohm, verificar que a intensidade de corrente eléctrica varia inversamente com a resistência eléctrica, contactar que à medida que se ligam cargas em paralelo, aumenta a intensidade de corrente eléctrica fornecida pela fonte e à medida que se aumenta a carga em série, baixa a intensidade de corrente fornecida ao circuito eléctrico pela fonte de energia (pilha, bateria, alternador, dínamo ou outro gerador eléctrico).

Igualmente foi proporcionada aos alunos a possibilidade de se familiarizarem com a simbologia utilizada para os componentes electrónicos e aparelhos de medida de grandezas eléctricas e realizar experiências em ambiente de simulação, aplicando os conceitos de metrologia aprendidos em unidade anterior.

ÁREA DE PROJECTO - 8º ANO, TURMAS 2 e 3 - EB23 FREI CAETANO BRANDÃO

Durante o 1º período lectivo, os alunos criaram contas de correio electrónico no gmail.com e aprenderam a criar um blogue no blogspot.com com nome e modelo à sua escolha. Entenderam o significado de URL e aprenderam a utilizar a janela do editor de mensagens com todas as suas ferramentas.

Editaram o seu perfil, colocaram uma foto no perfil, publicaram mensagens com texto, imagens e vídeos. Adicionaram diversos elementos de página, tais como sondagens, lista de hiperligações, imagens, JavaSript e HTML, logótipo, etc.

Utilizaram a pré-visualização do blogue, a ajuda e reconheceram a importância de terminar cada sessão de trabalho. Aprenderam a actualizar/alterar o conteúdo de uma determinada mensagem e a eliminá-la, se necessário. Verificaram e experimentaram a possibilidade de comentar o conteúdo dos blogues dos colegas.

Criou-se um blogue experimental único, para que todos os alunos testassem a possibilidade de realizar actualizações simultâneas, partilhando o mesmo blogue e até as mesmas mensagens.

Cada um dos alunos fez um pequeno texto com a sua apresentação e todos os alunos fizeram a apreciação das características pessoais de cada um dos seus colegas, para encontrar o seu perfil individual. Os dados foram cruzados e lançados em tabelas criadas no MS Excel, sujeitas a ordenação por pontuação decrescente, a somas automáticas, a cálculo de percentagens e à separação das características mais significativas, das restantes. Estas tabelas, coloridas a gosto dos alunos, serão publicadas no “Blogue da Turma” sob a forma de figuras de extensão jpg, criadas por PrintScreen.

Com a coordenação da professora Florinda Grilo, da disciplina de Língua Portuguesa, os alunos da turma 2, realizaram uma entrevista aos recém eleitos dirigentes da Associação de Estudantes da Escola, cujo som foi recolhido por dispositivo de gravação digital para posterior publicação no “Blogue da Turma” como ficheiro wma, juntamente com fotos obtidas na mesma altura e texto alusivo ao acto.

Alguns grupos de trabalho foram pesquisando informação e avançando com o trabalho do 3º período, conforme ficou determinado no início do ano lectivo.

O professor da Área de Projecto solicita aos professores do Conselho de Turma que colaborem, fornecendo materiais que considerem pertinentes para a actualização do “Blogue da Turma”.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

AINDA SOBRE AS BOAS FESTAS

Foram, até agora, neste período de Natal e fim de Ano, muitas as dezenas de manifestações de carinho e apreço que troquei com familiares, amigos e colegas, pessoalmente, por correio terrestre e electrónico, por SMS e através de telefone fixo e móvel.

Estamos, efectivamente, num período de vivência rica em que há propensão para manifestar, de forma mais desinibida, os sentimentos que nos unem.

Não deprecio nenhuma destas manifestações, mas escolhi mais uma para vos dar conhecimento, a que recebi do pessoal administrativo do Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Poiares. Não é por acaso que faço esta escolha, é que são vários os factores de motivação.

Primeiro porque recebi por correio terrestre (a forma mais tradicional de dar as Boas Festas à distância) um postal totalmente confeccionado pelos funcionários da secretaria do referido Agrupamento de Escolas, desenhado, impresso, recortado manualmente e assinado por todos no verso.

Depois porque não se esqueceram de mim: a “prenda de Natal” que lhes apareceu na Escola na terceira semana de Dezembro de 2004, depois de ter sido deferido e dado despacho ao meu recurso, junto da Direcção Geral dos Recursos Humanos da Educação, por ter sido indevidamente colocado na Escola Secundária Carlos Amarante de Braga (onde vários amigos fiz, apesar da curta “estadia”), motivada pela “grande confusão” que foi o concurso de professores naquela ano.

Esta “prenda de Natal” do Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Poiares, apesar de ter sido uma prenda para apenas dois períodos lectivos, tentou ser uma “prenda útil”. As relações que estabeleci com esta Comunidade Educativa: alunos, órgão de gestão, colegas, pessoal auxiliar e administrativo (Ana Luísa, Anabela Gaio, António Santos, Cristina Dias, Cristina Vaz, Esmeralda Relvas, Isabel Neves, Natália Henriques e Olga Simões), foram altamente gratificantes. Relembro com saudade muitos momentos que lá vivi e a todos agradeço, do coração, a oportunidade que me proporcionaram. Deixem-me retribuir com os meus mais sinceros votos de um excelente Ano Novo de 2008.

Sugiro que faça o download e ouça esta crónica.


video

REGISCONTA: MINHA GRANDE PAIXÃO (2ª PARTE)

Ao longo de quase meio século de vida, a Regisconta teve três presidentes do conselho de administração. O primeiro foi o Dr. Flávio de Azevedo, o segundo foi o Dr. Santos Nunes e o terceiro e último foi o Dr. Pinto Bastos, que assumiu formalmente aquelas funções em 5 de Fevereiro de 1991 no Belém Club Museu, situado no Edifício Espelho de Água de Belém, Lisboa.

Por esta ocasião, o Dr. Pinto Bastos, até então gerente da sucursal do Porto da Regisconta, fez questão de me convidar e a muitos outros colaboradores do Grupo Regisconta, a estarem presentes na cerimónia de tomada de posse do conselho de administração da Regisconta SGPS e das direcções das onze empresas do Grupo Regisconta.

O convite foi formalizado através de correio personalizado, despachado da estação dos correios de Santa Marta a 18 de Janeiro de 1991. No convite era solicitada confirmação de presença até ao dia 25 do mesmo mês.

A viagem de Coimbra para Lisboa fez-se na véspera do evento, a 4 de Fevereiro, em autocarro alugado pela Regisconta e colocado à nossa disposição para o efeito. O percurso fez-se calmamente, com muita descontracção e em amena cavaqueira entre colegas.

Chegados a Lisboa, ao fim da tarde, fomos conduzidos ao Lisboa Carlton Hotel, onde, a cada um dos colaboradores da Regisconta foi entregue a chave do respectivo quarto.

Ao entrar no quarto que me foi destinado, precisamente o quarto nº 503, deparei com um envelope da Regisconta (igual ao que recebi com o convite). Abri o envelope e lá dentro estava uma carta assinada pelo Dr. Pinto Bastos. Agradeço que a leiam e, depois, tirem as vossas conclusões…



terça-feira, 25 de dezembro de 2007

REGISCONTA: MINHA GRANDE PAIXÃO (1ª PARTE)

No contexto e da forma como Santana Lopes interviu na Assembleia da República, em 11 de Dezembro último, quando se referiu à Regisconta, pode ter induzido os cidadãos, principalmente os mais novos, a formar uma ideia errada do que foi realmente a Regisconta.

O Grupo de Empresas Regisconta foi uma grande e “bem oleada” máquina, com uma dinâmica extraordinária, em que todos os seus colaboradores estiveram sempre prontos a dar o melhor contributo na resolução dos problemas dos seus clientes, com muita determinação e sem limitações de esforço e de horários.

A cultura que se difundiu no interior do Grupo de Empresas Regisconta foi contagiante. Todos se sentiram com o dever de contribuir, com a sua quota parte, para o engrandecimento da Regisconta e do seu património mais valioso: os seus CLIENTES.

Este contributo de cada colaborador, foi como que voluntário. Os chefes, líderes por competência, não obrigaram a trabalhar mais e melhor, limitaram-se a dar o exemplo. Os líderes foram os primeiros a enfrentar as dificuldades e a mostrar como se venciam.

Em contrapartida, a Administração do Grupo de Empresas Regisconta, soube corresponder à voluntariedade de todos os seus colaboradores (neste grupo empresarial, todos os empregados eram considerados e designados de colaboradores). Muitos e variados foram “os mimos”, as compensações que tomou a iniciativa de promover e soube facultar-lhes.

Estou a lembrar-me de várias. Brevemente deixarei aqui testemunho duma dessa ocasiões.

domingo, 23 de dezembro de 2007

E-MAIL DE BOAS FESTAS

Do meu primo e grande amigo Raul Carlos, recebi ontem um e-mail de Boas Festas.

Já estou habituadao à sua forma original e universal de tratar os assuntos, mas desta vez não resisti, pelo que tomo a iniciativa de proceder à sua publicação:

Feliz Natal e Bom Ano Novo / Gabon Zoriontsuak eta Urte Berri On / Feliz Navidad y Próspero Año Nuevo / Merry Christmas and a Happy New Year

These season's greetings are most conventional but I do mean them, while I urge my closest friends and all the people I like to be in contact with to fight the tendency that turns this season into a time of widespread well-wishing but also of great oblivion.

If this is a time most commonly associated to family gathering and celebration, it is no less announced as a time of a general approach between people, members of a society, the specimens of mankind, and I cannot help wondering...
No matter how comfortable (or uncomfortable) I deal with christmas in privacy, with age I gradually came to think more of those who are poorer, more lonely, sick or to whom injustice has been committed, as they are more bound to suffer, as this season develops and reaches its hights, so commonly in a crazy rush that overruns the values it should remind us of and stand for - throughout the year.
I do wish you the best.
Abraço,
Raul

Music suggestion to go
along with the photos: Bach's Cello Suite No. 1 in G major BWV1007 - Prelude,
performed by Jaap ter Linden. Having not been able to find one of his
performances of the piece on Youtube, I suggest this one,
by Mischa Maisky:







Amaiur, Baztan, Nafarroa - Dezembro de 2007

Baztan, Nafarroa - Dezembro 2007

Azpilkueta, Baztan, Nafarroa - Dezembro 2007

A este e-mail respondi simplesmente assim:

Olá Raul Carlos
Adorei a forma original de me desejares um Feliz Natal e um Bom Ano Novo.
Tanto o texto, como as fotos e o filme são de uma sensibilidade extrema.
Maior sensibilidade é aquela de quem reuniu as três peças.
Também te desejo, a ti e aos teus, um Natal muito, muito Feliz, no calor da família.
Entrega os meus cumprimentos aos teus pais e ao teu irmão.
Igualmente te desejo um Bom Ano Novo de 2008, que se perspectivando como sendo de mais trabalho, seja também compensador pelo reconhecimento da tua determinação e entrega nas tarefas que realizas e que continue a haver esperança de que o Natal, possa, um dia, vir a ser verdadeiramente para todos, mesmo para os mais desfavorecidos.
Um grande e forte abraço.
Américo